Marco do Caminho novo b (Copiar)

Marco
Caminho Novo do Ouro

 

                                               
 

Boa
sólida
e histórica
vertente mineira 
da serra da Mantiqueira
Através das suas trilhas puris 
o bandeirante Garcia Rodrigues Paes 
(filho de Fernão) atalhou via Barbacena 
novo 
caminho para  escoar o ouro extraído 
das minas de Vila Rica para a Corte carioca



Caminho-N.-do-O.-Copiar-3-198x300

                          Cercado de verde
                          bordado de flores 
                         o atalho deu certo:
                     Reduziu de 3 pra 1 mês 
                   tempo de viagem MG-RJ 
             Levou identidade prosperidade
      e poder para o estado de Minas Gerais 
         Causou mudança da Corte e Capital 
             de Salvador para Rio de Janeiro 
           Tornou-se Caminho Novo do Ouro 
                e 1ª estrada oficial do Brasil
                                                                                                
                                          

fazenda-da-b-do-c-7-6-13-050-copiar-3

Fazenda Borda do Campo
núcleo original de Barbacena MG





Fazenda Borda do Campo
fundada em 1698
durante corrida do ouro
 nas Minas Gerais
para abrigo e  apoio aos pioneiros
do atalho de Barbacena



Faz. da Borda do Campo (digit.) 008 (Copiar)

Fazenda Borda do Campo
berço colonial de Barbacena MG





Pedro I
Tiradentes 
Santos Dumont
subiram degraus de pedra 
da sede da fazenda
Borda do Campo




Rua XV DSCN3494 (Copiar) (4)
Rua XV de Novembro
Eixo central da cidade de Barbacena MG
Antigos trilha puri, atalho e Caminho Novo do Ouro

E foi, todavia, o atalho de Barbacena passadiço de ideais iluministas
e Inconfidência Mineira  

Toneladas de ouro e pedras raras 
extraídas do sertão mineiro
escoando serra-abaixo
através do atalho
de Barbacena 
para aristocráticos 
salões cariocas e europeus 
 atraíram milhares de aventureiros
cobiça da Coroa e ambição criminosa

DSCN6736 (Copiar) (2)Enquanto ouro e pedras raras
  extraídos do sertão mineiro 
escoavam serra-abaixo
para a Corte carioca 
serra-acima
porém 
 na contra-mão
do 
atalho e 
do saque imperial 
subiram ideais iluministas 
propondo nova ordem social 
inspirando Inconfidência Mineira 

Voltaire menor


A história só pode ser bem escrita num pais livre
<—Voltaire  filósofo iluminista

1 (20)








Busto no atalho de Barbacena–>
 
 homenageia Tiradentes 
mártir da Inconfidência Mineira

Ou ficar a Pátria liiiiivre

 

Bandeira verde Inconf.

O sonho intenso de 
liberdade ainda que tardia 
desafiou a própria morte 
deixou rastro de sangue e dor no atalho 
mas  ficou pra depois



Atalho de Barbacena 
ou Caminho Novo do Ouro 
na fazenda Borda do Campo

Faz. da Borda do Campo (digit.) 009 (Copiar)Faz. da Borda do Campo (digit.) 012 (Copiar)



Ponta carioca do Caminho Novo do Ouro ~  ~~  ~~~                                                                             

040-72-dpi-copiar

Paço Imperial RJ

Residência de D. João VI
Local da Aclamação de
D. Pedro I e D. Pedro II 
declaração do “Fico”
e assinatura da lei Áurea
1ª Casa da Moeda do Brasil 
 Marco da arquitetura
          colonial brasileira
                                                      
                                                                                                                                                                       Paço_Imperial_1830a pequeno
Construção do Paço 
para administrar
e do cais  e chafariz
para abastecer  
comércio moradores
e navios no terminal do
Caminho Novo do Ouro
causou 1ª revolução urbana 
na cidade do Rio de Janeiro


064 (Copiar)





Cais Pharoux
Chafariz do Valentim
Paço Imperial
RJ 2016 



DSCN6924 (Copiar)

Reminiscência do cais dos Mineiros
Terminal do atalho de Barbacena
RJ 2017

cais-e-hotel-pharoux-adolphe-dhastrel-praia-d-manuel-1841

Praia D. Manuel
Adolphe D’ Hastrel – 1841  

Rugendas

Praia dos Mineiros
Rugendas


Cais dos Mineiros
 (vizinho ao cais Pharoux)  
foi construido para atracar
barcos oriundos do porto
Estrela (Magé) carregados
de riquezas e passageiros que desciam dos sertões proibidos da vertente mineira da serra da
Mantiqueira – via atalho
de Barbacena – 
para
a Corte carioca



“Se se pode acrescentar algum dado, é de se lembrar que foi na Praia dos Mineiros que o alferes Joaquim José da Silva Xavier (1746-1792), o Tiradentes, à época em que ficou ausente de seu regimento em Minas Gerais quase um ano e meio, tentou encetar algumas iniciativas empresariais no
Rio de Janeiro.



Uma delas foi procurar arrendar oito braças de terrenos na Praia dos Mineiros e seis braças na Praia de Dom Manuel para construir um guindaste de madeira que serviria para o embarque de animais quadrúpedes e manufaturas” (Arquivo Histórico Ultramarino (AHU), Lisboa, seção Rio de Janeiro, Avulsos, caixa 142, doc. 8, 18/8/1788).

DSCN6950 (Copiar)





Cais Pharoux
Chafariz do Valentim
Paço Imperial 
VLT
RJ 2017





030-copiar





Cais Pharoux 

Chafariz do Valentim 
BOVERJ
RJ 2016




Arredores do
Terminal do atalho de Barbacena 
e do Caminho Novo do Ouro
RJ 2017

DSCN6940 (Copiar)DSCN7037 (Copiar)












chafariz-pintura-de-richard-bates-1808
Paço Imperial  cais Pharoux  
e chafariz  do Valentim 
 Richard Bates 1808













































A + IMPORT. DAS RE DOS CON NA CASA do Cmdt. dos Dragões. Ten-coronel Francisco de Paula Freire de Andrade

———————————————-    

                                                                  —————–  









 —————————-


 … sair de Minas, passava por Paraíba do Sul, Paty do Alferes, Xerém, indo até o porto de Pilar do Iguaçú, onde se embarcava, descendo pelo rio Iguaçú até a Baía de Guanabara, para chegar ao cais dos Mineiros…”
                     ——————————————————-                                                                                    ——————————————————-

Paco-ano-1830-big

John Steinmann 1830






Praia_dos_Mineiros Rugendas

Praia dos Mineiros Rugendas

http://www.descubraminas.com.br/Turismo/DestinoPagina.aspx?cod_destino=18&cod_pgi=2258


Em julho de 1788, o visconde de Barbacena assumiu o governo da capitania. Na bagagem trazia ordens severas do primeiro-ministro Martinho de Melo e Castro.


Martinho de Melo e Castro não aceitava a desculpa da decadência do ouro, para ele os motivos do atraso dos impostos estavam na corrupção e nas fraudes. “Huma rezidencia de contrabandistas e ladroens dos mesmos diamantes, que escandalosa, e impunemente nella gozão com todo socego do fructo dos seus crimes”. Assim o ministro falava do Distrito Diamantino.

A Capitania de Minas Gerais havia sido prodigiosa na produção de ouro e diamante durante algumas décadas do século 18. A administração portuguesa possuía um pesadíssimo esquema de cobrança de impostos e que sofria alterações de tempos em tempos e era controlada por um rígido sistema administrativo-tributário.


As medidas que causaram maior impacto foram: o término dos contratos, a transferência da administração, que passa a ser feita pela Coroa portuguesa e a cobrança dos impostos atrasados – 538 arrobas de ouro – a odiada derrama. Cinco dias após sua posse, o novo governador iniciou uma investigação no tesouro da capitania e comunicou as novas ordens que causaram uma profunda insatisfação, principalmente entre a elite.


Nessa área proibiu-se a existência de sítios volantes e do trânsito de homens dispersos, sem ocupação definitiva. A denominação “áreas proibidas” foi criada em 1736 pelo Bando de Aditamento ao Regimento de Minerar, que proibia que se lançassem posses de terras situadas nas extremidades não povoadas da capitania, tentando-se evitar extravios do ouro ao impossibilitar a abertura de novos caminhos e picadas nos matos em áreas onde inexistiam registros e vigilância das patrulhas4.
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882003000200011

Bandeira da Inconfidência Mineira (Tiradentes) - historiasylvio.blogspot.com.br


 


 

 

 

 



http://www.infoescola.com/historia/inconfidencia-mineira-conjuracao-mineira/





A história do Paço Imperial está intimamente ligada à história do Brasil. Desde sua construção em 1699, para ser sede da Casa da Moeda…  ali também que aconteceram grandes eventos históricos como a aclamação de dois imperadores, D. Pedro I e D. Pedro II, o Dia do Fico (9 de janeiro de 1822) e a assinatura da Lei Áurea, pela Princesa Isabel, que aboliu a escravatura no Brasil (13 de maio de 1888).


Com a transferência da sede do Governo Geral de Salvador, Bahia, para o Rio de Janeiro, o prédio ficou conhecido como Palácio dos Vice-Reis. Nesse período, várias obras e intervenções foram realizadas no Largo do Paço, como a construção do cais de cantaria lavrada com escadas para o mar e a instalação do chafariz que abasteceria os navios e as moradias no entorno, obra do Mestre Valentim que permanece até hoje na Praça XV. Mas foi a partir de 1808, quando a família real veio para o Brasil com a ameaça de Napoleão Bonaparte de invadir Portugal que o Paço passou a ser elemento relevante no contexto do poder estabelecido, pois se tornou a residência de D. João e toda a corte.

Apesar das reformas para receber a Corte, o palácio ainda era considerado desconfortável para a Família Real, que se transferiu para a Quinta da Boa Vista. O Paço permaneceu como sede do governo. Com a declaração da independência do Brasil, o Paço Real transformou-se em Paço Imperial. O Paço Imperial, de 1822 a 1890, foi palco de todos os eventos políticos, religiosos, econômicos e o local de onde se governava o país. Manteve sua importância na cidade, pela nobreza e imponência de sua arquitetura.